Meu novo livro

Por JURANDIR JURA | 12/09/2016 08:06:00 PM em | comentários (0)


SER

Por Pedro Du Bois | 11/25/2016 03:14:00 PM em | comentários (0)

insano
busco sentido
na minha existência

(não existo)

(Pedro Du Bois, inédito)

Por JURANDIR JURA | 11/20/2016 07:13:00 PM em | comentários (0)


APOSTAS

Por Pedro Du Bois | 10/20/2016 06:52:00 PM em | comentários (0)

Quando o homem aposta
a vida
no destaque
sabe
da perdição
existente entre o baque
do corpo
antes da queda

ao corpo não cabe a escolha
em apostas que seguem donas
das aventuras em desenlaces
retornadas em formas
desproporcionais
nos atos

a memória subsiste em quem fica
imóvel no avistar o passado
sobre as pedras.

(Pedro Du Bois, inédito)

RESSURGIR

Por Pedro Du Bois | 10/06/2016 05:53:00 PM em | comentários (0)

A sucessão enlaça o presente
e o arremete ao desconhecido
de onde ressurge             (novo)

o novo se equipara ao todo
e se limita na repetição  (do ovo)

o ovo repousa na casca
sobre a relva e nada retira (está pronto)

pronto
o corpo quebra a casca
que o separa de mim
a quem sucede.

(Pedro Du Bois, inédito)

SEMPRE

Por Pedro Du Bois | 9/28/2016 06:02:00 PM em | comentários (0)

            tosco
            teso        
            tonto
            na descoberta
                 irritante
                 de que o hoje
                             o ontem
                             me aguardam
                             amanhã

ininterruptamente

(Pedro Du Bois, inédito)

DERRADEIRO

Por Pedro Du Bois | 9/10/2016 05:34:00 PM em | comentários (0)

Na hora derradeira
pergunto sobre o tempo
a chuva
a geada
a chegada do outono
em desfolhadas árvores
de alas acariciando carros
nos movimentos diários

na hora derradeira trago a imagem
do feito
      e do desfeito consolo
      de que apregoam preços
      em feiras e flores na rua

o providencial guarda-chuva
que no semáforo o guarda apita
verdades reguladas em extremos

na hora derradeira o extremo gesto
materializa o antes
                   o agora
                   o distante intercalado
                   no gosto da lembrança.

(Pedro Du Bois, inédito)

SORRISO

Por Pedro Du Bois | 9/02/2016 09:13:00 PM em | comentários (0)

Ao sorriso retribuo
                  músculos retesados

(o mal jogado contra o solo
                            em devolução
                        no palavrão gritado
                            em retribuição).

(Pedro Du Bois, inédito)

LONGE

Por Pedro Du Bois | 8/25/2016 07:52:00 PM em | comentários (0)

Longe estou
no longo trajeto
percorrido

do lugar da partida
ao percurso acumulado

na volta cabe a metade
do caminho que não reduz
a sensação de estar longe

o eco repete a perdição
da palavra no corpo
que retorna.

PRESSUSPOSTO

Por Pedro Du Bois | 8/17/2016 01:02:00 PM em | comentários (0)

A igualdade é pressuposto
da diferença. Doentia
forma de desconhecimento. Arma
e arremesso. Corpo anteposto
ao dia anterior: juventude
e infância. Infâmia
concretada.

Iguais
em si mesmos almejam
o dia da chegada.

E ainda não
foram até a porta.

(Pedro Du Bois, em IGUAIS, Projeto Passo Fundo/2013)

II - O OBJETO RECOMEÇADO

Por Pedro Du Bois | 8/09/2016 05:32:00 PM em | comentários (0)

O menino transita ruas
e detido em luzes
vitrina: renomeia
manequins e roupas

espreita
atrás das luzes
fechadas ao público

honra a família
e se despede
em beijos
- sempre há um manequim
  piscando
  os olhos e girando o pescoço

(mesmo que o menino não olhe
 para trás).

(Pedro Du Bois, em OS OBJETOS E AS COISAS, Primeira Parte, Scortecci, 2006)

INEXISTIR

Por Pedro Du Bois | 8/02/2016 02:24:00 PM em | comentários (0)

Subo paredes
e me instalo

o silêncio traduz
a lucidez

tenho comigo
o de sempre: por vezes
                     diferente

fecho a janela
e a escuridão me cerca
como me acerco do nada

abraço a minha sombra
na certeza da inexistência.

(Pedro Du Bois, inédito)

MANEIRAS

Por Pedro Du Bois | 7/25/2016 03:14:00 PM em | comentários (0)

maneiras se arvoram
nos tornam reféns
das referências

encobrem e descobrem
desprazeres: acrescentam
perdas no passar dos dias

correntes
  obstáculos
      manias
contrapesos: maneiras
adquiridas ao medo em segredos
para nãos nos relacionar com a vida

(Pedro Du Bois, inédito)

CONVITES

Por Pedro Du Bois | 7/17/2016 07:24:00 PM em | comentários (0)

Na última vez em que fui convidado
compareci ao evento: ser o último a sair
finalizaria o encontro e me responsabilizaria
pelo encerramento: sai pouco antes
e fiquei do outro lado da rua esperando
ser a porta fechada nas luzes apagadas


 na escuridão
 pensei o convite
 nas razões da presença: tantas maneiras
de dizer não
              não irei
              não
              obrigado
              não
              ficará para outra oportunidade

fui
fiquei
conversei
e me diverti

no outro lado da rua na noite esvaziada
soube do desencontro: a vida acompanha
meu empenho enquanto puder
ir embora mais cedo.

(Pedro Du Bois, inédito)

FAZER

Por Pedro Du Bois | 7/07/2016 03:25:00 PM em | comentários (0)

nada faço
        que não seja
                    feito

descobertas acontecem ao acaso

repetições
são tomadas
fosse o método
         exponencial
         das cópias

(Pedro Du Bois, inédito)

Solidão

Por Eryck Magalhães | 7/01/2016 02:38:00 PM em | comentários (0)

Palavra
que está
sempre
no aumentativo.

Nonsense

Por Eryck Magalhães | 7/01/2016 02:37:00 PM em | comentários (0)


Tudo tem tido
muito sentido
sem tido
algum
semtido
nenhum

APÓS

Por Pedro Du Bois | 6/21/2016 03:28:00 PM em | comentários (0)

aposto: a primeira resposta
             estará errada
aposto: a chuva passará
            sobre a cidade
aposto: explicarei o detalhe
             para o entendimento
aposto: conforme combinado
             nos encontraremos ao amanhecer
aposto: retratos serão
             obtidos em revelações
aposto: sua apatia está ligada
             ao sorriso descoberto
aposto: o anjo refulge asas
             ante a claraboia
aposto: versos rosnados em ouvidos
             tolos das moças do lugar
disposto: noites para dormir
               em noites para acordar

(Pedro Du Bois, inédito)

INSCRIÇÕES

Por Pedro Du Bois | 6/13/2016 08:57:00 PM em | comentários (0)

No muro as palavras:

            "fora daqui
              aqui estou"

estrangeiro e visitante
no retorno imperdoável
entre fugas e sentidos

olhar o trajeto
e se fazer esperar

o outro lado
não seria aqui
e aqui está

inscrições adquirem vida
em memórias de acompanhamento.

(Pedro Du Bois, inédito)

COMEÇO

Por Pedro Du Bois | 6/05/2016 04:06:00 PM em | comentários (0)

Olhar o panorama
na continuação da jornada

não olhar o opaco
silêncio embevecido
das lembranças: saudades
em novidades anteriores

no progresso olhar
a sensação do esquecimento
no retorno ao começo

única forma
única maneira
único caminho
          para a descoberta.

(Pedro Du Bois, inédito)

ESPERAR

Por Pedro Du Bois | 5/26/2016 02:19:00 PM em | comentários (0)

espera a terra natal
desprovida de histórias
reaparecer enquanto adulto

terras são semeadas
e colhidas

não resguardadas

(Pedro Du Bois, inédito)

FORMA

Por Pedro Du Bois | 5/14/2016 05:49:00 PM em | comentários (0)

A forma do horizonte
próximo à liça: licor
despejado no copo
dos anseios

horizonte em nuvens
de cigarros apagados

o gesto reduz a plataforma
onde lançados à terra irreal
dos dias ansiosos: perguntas
brotam no ocaso do horizonte
sumido ao contato

reviso o texto: lépido
passo. Nada resta
provar: ao horizonte
falta a perspectiva
do perto aprisionado.

(Pedro Du Bois, inédito)


SENTIR

Por Pedro Du Bois | 5/07/2016 09:26:00 PM em | comentários (0)

Cordato homem
atravessa a rua
em que a lua ilumina
a ostentação da noite

ao homem que passa
silencioso
                o rumor
dos profetas ostenta
a decisão de ser o poeta
perdido na imensidão.

(Pedro Du Bois, inédito)

PALCOS

Por Pedro Du Bois | 4/16/2016 12:13:00 AM em | comentários (0)

oposto ao gesto
aceno minha resposta
aposta na confluência
da cena onde me mostro

o mastro aponta o horizonte
na volta completada no encosto
áspero contra a pedra

erro o bote
viro o barco
em amostras

aposto
o que resta: arresto
receber o gesto
em cena.

(Pedro Du Bois, inédito) 

ALMA

Por Pedro Du Bois | 4/04/2016 11:54:00 AM em | comentários (0)

Abro a janela
pelo ar penetra
a anunciação
do retrato falado

afasto o vidro
quebrado na queda
e atrás da cortina
espio o exílio

farto da lembrança
liberto minha alma.

(Pedro Du Bois, inédito)

convite

Por JURANDIR JURA | 3/29/2016 07:42:00 AM em | comentários (0)


ENTREGA

Por Pedro Du Bois | 3/28/2016 11:10:00 PM em | comentários (0)

gratuito exemplar exposto
na banca de revistas

pagamento a partir
da segunda remessa

desejo despertado
em horas de promessas

antes do desjejum sexual
de impolutos seres engravatados

a gratuidade cede espaço
ao desinteressado fato
absorvido na manchete

a exposição barateia custos
de impressão e entrega

(Pedro Du Bois, inédito)


TERRAS

Por Pedro Du Bois | 3/21/2016 09:41:00 PM em | comentários (0)

na terra
onde se aprendem
amarras o contato foge
ao abraço

medeia esforços na noite
desprotegida e nua das esperas

desperta a flor nascida
no instante impreciso
da passagem

sabe instalar o alarme
anunciado na terra incontida
em vasos aprumados
nas sacadas

na terra onde apreendidas
amarras sobrepostas ao corpo
inconfesso dos lamentos

tem a luz e obscurece o tempo
atípico dos amantes

(Pedro Du Bois, inédito)


ONDE

Por Pedro Du Bois | 3/13/2016 03:42:00 PM em | comentários (0)

carrego cicatrizes
sob a pele
agastada: luzes
atravessadas na paciência
experimentada na separação
da vida amortecida em mortes
desconsideradas
onde me situo incólume
     : no afligir do corpo
        despontam marcas
 escurecidas da virtude
 abandonada no pagamento
 necessário aos fatos

retiro o onde
e me habito
em essência

(Pedro Du Bois, inédito)

FUTURO

Por Pedro Du Bois | 3/03/2016 05:23:00 PM em | comentários (0)

Na imprecisão do instante
soube
do futuro
descortinado
- janelas alteram
o sentido do quarto
no espaço devassado -
e nas entrelinhas
li
o futuro
decomposto
- portas precisam
permanecer abertas
pelo lado de fora -
no piscar dos olhos
esqueci
o futuro
descabido
- na cama repousa o corpo
e ao lado o outro corpo
descoberto.

(Pedro Du Bois, inédito)

ALÉM

Por Pedro Du Bois | 2/17/2016 08:31:00 PM em | comentários (0)

O canto ultrapassa a musa
além
     o espaço
     ávido em sons
     distantes
               busca no vazio
               o intermediário gesto
                              de despedida

o som integra a dispersão: na fragmentação
o tom se revela além da musa: história
entre iguais dissociados dos fatos.
Risadas cobrem as palavras.

A musa ultrapassada em beleza
e subserviência despenca escada
abaixo: baixos tons de lamento.

(Pedro Du Bois, inédito)

CORES

Por Pedro Du Bois | 2/09/2016 10:10:00 AM em | comentários (0)

Não interessa ao corpo em movimento
a força abrutalhada do ânimo
no sentimento dos desencontros

nada vale a palavra em contextos
de poemas inalcançáveis nas canções
amadurecidas em rimas e ritmos

não me comove o cheiro doentio
dos perfumes exalados em flores

não me admiro em espelhos convexos
sobre altas janelas de aviões em voos

apenas olho o entardecer pela janela
fixada na dúvida irresolvível da matéria

as cores aparentes me bastam.

(Pedro Du Bois, inédito)

VIVERES

Por Pedro Du Bois | 2/02/2016 03:35:00 PM em | comentários (0)

No entanto
acordo
desperto corpo
levanto e saio
no espaço descoberto

volto e sento
busco no sustento
o alimento da confluência
entre a vontade e a fome

bebo no líquido o gosto
com que tormentas se amplificam

descarto doenças
na purificação do corpo
e olho quem me acompanha
na identificação da vida

deito e durmo o turbilhão
dos sonhos: na madrugada desperto
questões remanescentes.

(Pedro Du Bois, inédito)

REFÚGIOS

Por Pedro Du Bois | 1/26/2016 10:18:00 AM em | comentários (0)

Não reconheço nas flores
cores
estampadas
em cálices e corolas
frágeis

entendo as flores nascidas
no acaso com que plantadas
vicejam
e iluminam
caminhos
e refúgios

(nada mais é o jardim
além do refúgio onde me guardo
do dia mal intencionado
em barulhos e arrulhos).

(Pedro Du Bois, inédito)

TRAJETO

Por Pedro Du Bois | 1/14/2016 10:25:00 PM em | comentários (0)

o homem na janela
pergunta ao passante
sobre a origem
do destino

o passante olha o homem
na janela
      mede a distância
                  altura
                  sofrimento
                  isolamento

responde de onde vem
e para onde pretende
ir naquela passagem

o homem na janela
sorri e agradece
a gentileza

o passante vira à esquerda
na primeira esquina
         e sai de cena

(Pedro Du Bois, inédito)

LIBERDADE

Por Pedro Du Bois | 1/08/2016 07:27:00 PM em | comentários (0)

                    arapuca
                    arataca
                    armadilha

                             gaiola
                             jaula
                             acela

   quarto
   casa
   rua

              esquina
              bairro
              distrito

                   cidade
                   região
                   país

     fronteira
     estrangeiro
     gravidade

                               aonde
                                a liberdade
                                  pelo lado de fora?

(Pedro Du Bois, inédito)

A DENSIDADE DO SILÊNCIO

Por Pedro Du Bois | 1/01/2016 01:42:00 PM em | comentários (0)


O lacre encerra o ciclo. Pode ser frequente
na solidão da casa. Tem a companhia real
do fantasma absorto na cadeira ocupada
pela pessoa inexistente. Chegada. Partida.
Está e se deixa estar. Especula razões
cantantes sob a água. O espelho
repete o olhar em reflexo. Reflete
o espaço oferecido pela janela.

Não deduz da força
a ingerência com que a construção
resta inacabada. Filhos em idades
diversas. A mulher em afazeres.

Retira o peso do lacre. Reabre as razões
de estar fechado em reconhecimento. Dias

melhores ao acaso. Cala o presente.

(Pedro Du Bois, A DENSIDADE DO SILÊNCIO, 6, edição do autor, 2014)


O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Feeds RSS

Receba as novidades do Vale em Versos em seu e-mail

Livros do Vale

Apoiamos

Adicione

Arquivos