O Próprio Amor

Por Vitor Berigo | 9/20/2011 04:34:00 PM em |

Dos vasos suspensos
regados por seu nome
é colhido o olhar de alegria.
Há vida.

A rosa colhida no mais íntimo do meu jardim
foi rejeitada feito capim.
Num copo esquecido, sobreviveu
a lembrança du'm sorriso.

A rosa não teve nome
só motivos

e morreu.


(Vitor Berigo)

1 comentários:

  1. **Lana** on 20 de setembro de 2011 19:22

    Quem ama jardins jamais esaquecerá um amor...
    Abraços de luz!

     


O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Feeds RSS

Receba as novidades do Vale em Versos em seu e-mail

Livros do Vale

Apoiamos

Adicione

Arquivos