Beatriz

Por Tonho França | 10/19/2009 11:52:00 PM em , , |

A face calma e secular cheirava a cais e especiarias
Seu olhar pairava sobre todas as rotas e mundos
E era em seu lábio que os ventos vinham aprender as diversas canções.

Todos a chamavam Beatriz

De seu ventre parira o universo entre rosas azul-desejo
E fez-se mãe de todos os deuses e deusas
Mitos e crenças, rituais e profecias...

E era na pausa das chuvas que tecia as noites e os dias.

O seio claro alimentava os meridianos,
Os demônios que nasciam das águas
E homens de chapéu e terno de outras gerações

eram longos os dedos de Beatriz,
e na palma de sua mão
guardava o céu e uma caixa de fetos

caminhava sobre as constelações com passos antigos e cansados
vestida de branco, com flores de anjos no cabelo
descia ao céu de tempo em tempo
com ramos de luzes e anis

desde o início e por todo o sempre
todos a chamavam Beatriz
em silêncio...

Beatriz.


Tonho França.

1 comentários:

  1. JURA on 20 de outubro de 2009 23:18

    lindo poema , abração

     


O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Feeds RSS

Receba as novidades do Vale em Versos em seu e-mail

Livros do Vale

Apoiamos

Adicione

Arquivos