As minhas faces

Por Tonho França | 8/21/2011 10:37:00 PM em |



Observo a caixa onde o último charuto descansa

Há uma certa elegância no aroma do Cohiba



Ainda pousa sobre amarelados papéis

a caneta de pena importada

o relógio de bolso em ouro



(ambos herança de meu avô)



já desfiz-me de tudo que era precioso



perdi-me de muitos rostos caros e amigos

e morri um pouco em cada mulher que amei



hoje o tom escuro repousa em quase todas minhas roupas

e toda essa profusão de sons, cores, pessoas

são estranhas ao meu olhar.



Relembro na pausa de um suspiro (lento)

Toda minha vida

pouco restou de uma época e de mim.



Os últimos poemas ainda insistem na memória

Eles tem a alma, o ritmo e o segredo dos mares



E toda noite, condenam-me veemente

ostentando sobre as ondas, brados revoltos

em espumas claras-intensa-reluzente



A face de todos meus “eus” mortos

1 comentários:

  1. Simone MartinS2 on 21 de agosto de 2011 22:47

    Boa noite...dizem que o poeta e um fingidor, mas mesmo que finjas de uma coisa estou certa, sempre existirá algum resquicio de verdade ou realidade em tudo que escreve, pois o poeta escreve com a alma e o coração, sentimentos puros e verdadeiros, então, como pode ser fingidor? Não, por mais que falem de mil faces, multifacetados, nao acredito que finjas, deve haver sim, um fundo de verdade em tudo aquilo que escreve, mas deparar com nossos "eus" mortos, significa renascer, com um novo "eu", reviver algo que ja se foi e dar a nova face a tapa e continuar em frente...Adorei! Me empolguei...rsrsrs...boa semana pra ti...abraços!

     


O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Feeds RSS

Receba as novidades do Vale em Versos em seu e-mail

Livros do Vale

Apoiamos

Adicione

Arquivos